O melhor chocolate do mundo é orgânico e vem do Equador

O Equador é um país muito sério em alguns assuntos e, principalmente, no quesito alimentação da sua população. É admirável por respeitar a sua Natureza, os seus animais e plantar respeitando o meio ambiente.

Dizem que foram os maias os primeiros a utilizar as sementes desta planta e que sua árvore crescia de forma natural 4.000 anos antes do nascimento de Cristo. Agora, o Equador, considerado uma das zonas privilegiadas da biosfera, exporta cacau no valor de 900 milhões de dólares (2,9 milhões de reais) por ano. Mais de 100.000 famílias vivem de seu cultivo. A importância desta indústria, ao lado da do petróleo e das bananas, tem sido crucial ao longo da história deste país. O primeiro banco equatoriano foi criado com os recursos gerados pelo comércio do cacau. Mas Santiago Peralta quis construir um mercado onde não havia um, “pagando o dobro” dos cacaueiros tradicionais e fabricando chocolate orgânico. “Ser sustentável custa muito dinheiro, o que, em parte, justifica que o preço final seja mais alto que o de produtos procedentes da agricultura tradicional”, conta. Para conseguir isso, precisa estar presente em todas as fases, desde a produção – que inclui o cuidado do terreno onde a árvore cresce – até a distribuição a outros continentes, feita em contêineres próprios. Sua empresa possui o certificado Demeter (equivalente orgânico ao guia Michelin), emitido na Alemanha por uma firma especializada, criada em 1927. A agricultura biodinâmica implica, entre outras coisas, fertilizar os solos com preparados homeopáticos vendidos embalados e que foram preparados com esterco de vaca, levar em conta as fases lunares e planetárias e submeter-se a inspeções periódicas que avaliem a pureza dos processos. A marca, que não recebeu críticas do ponto de vista científico, foi registrada em mais de 68 países. .. (EL PAÍS)

Anúncios